Governo de Minas decreta situação de emergência por surto de febre amarela

258
Fila para vacinação em Caratinga, na Região do Rio Doce, nesta sexta-feira (foto: Gustavo da Silva de Souza/Divulgação)

O governo de Minas Gerais decretou situação de emergência nas áreas das regionais de saúde de Coronel Fabriciano, Governador Valadares, Manhumirim e Teófilo Otoni por conta do surto de febre amarela. Ao todo, as regiões abrangem 152 municípios.

O decreto foi publicado no Minas Gerais, diário oficial do estado, nesta sexta-feira. O documento lembra que a febre amarela é uma doença de notificação imediata e compulsória, de potencial epidêmico e elevada letalidade. “(…) em janeiro de 2017, a Secretaria de Estado de Saúde foi notificada da ocorrência de 48 casos suspeitos de febre hemorrágica, tendo sido 16 deles confirmados por exame laboratorial até o momento, em municípios da área de abrangência das Unidades Regionais de Saúde de Teófilo Otoni e Coronel Fabriciano; que, dos 48 casos suspeitos, 14 evoluíram para óbito, dos quais 8 já apresentam confirmação laboratorial da contaminação pelo vírus”, destaca.

A partir do decreto, fica autorizada a adoção de medidas administrativas para contenção do surto, como aquisição de insumos e materiais e constatação de serviços necessários ao atendimento da situação de emergência. Também fica autorizada a contratação de pessoal por tempo indeterminado para atuar no combate ao surto.

O decreto, assinado pelo governador Fernando Pimentel, também cria a Sala de Situação, que será composta pela Secretaria de Estado de Saúde (na coordenação), a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), as secretarias de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

Nesta sexta, Pimentel vai visitar Teófilo Otoni e Caratinga. Nesta última, é grande a procura dos moradores pela vacina da febre amarela. “Está muito difícil conseguir a vacina.  Meu pai mesmo levantou as 5h da manhã para poder vacinar a até  agora não conseguiu”, disse o morador Gustavo da Silva de Souza ao em.com.br. Ele diz que há poucos funcionários aplicando a vacina diante do número de pessoas. Ainda segundo Souza, há informações na cidade de que a vacinação vai continuar no sábado e no domingo.

Arte EM
(foto: Arte EM)

Fonte/Reprodução: Estado de Minas