Viver Bem: 5 hábitos novos para adotar em 2017

255

De acordo com todas as previsões, 2017 será o momento de abraçar as mudanças. Aproveite essa força para adotar hábitos novos!

Quando convidamos o numerólogo Yubertson Miranda para falar, no fim de 2015, sobre o que 2016 nos traria, ele previu muito do que nós acabamos, de fato, vivendo neste último ano.

É por isso que, agora, o convidamos novamente – desta vez, para falar de 2017. E o que ele nos disse? Que o ano que vem será um “ano semente” – ideal para que a gente inicie mudanças grandiosas e tome decisões corajosas para a vida.

Pensando nisso, listamos 5 hábitos novos para adotar no ano que vem. Como não são muitos – e são, aliás, todos extremamente simples -, não vai ser impossível aplicar tudo isso na sua vida. Que tal aproveitar a ~força dos números~ para dar uma chance?

1. Manter uma agenda

Foi só Ryder Carroll compartilhar com a internet o modo como planeja e registra seu cotidiano que o Bullet Journal se tornou um fenômeno mundial. Desde então, encontrar inspirações através da hashtag #bulletjournal se tornou facílimo – seja no Tumblr, no Pinterest, no Instagram ou até no Twitter. O método se tornou hiper famoso, e até mesmo cientistas se propuseram a entender o porquê de, afinal de contas, ele dar tão certo.

Aparentemente, o Bullet Journal funciona porque ele consegue acalmar a nossa mente – já que o usuário, mais do que anotar as suas obrigações, se engaja com a criação da agenda. Mas não é só com o tal do journal que ficam evidentes as vantagens de anotar seus objetivos à mão.

Manter qualquer tipo de agenda pode ser interessante: além de se organizar, você aumenta as chances de que suas metas se realizem. De acordo com um estudo realizado pela Universidade de Toronto, quem escreve seus objetivos à mão tem muito mais chance de realizá-los.

2. Estabelecer momentos diários de desconexão

giphy-92

(Reprodução/Giphy)

Já parou para pensar em como o banho é sempre um momento cheio de ~inspiração~?

É dentro do boxe, afinal, que você consegue contemplar, além do silêncio, também as várias coisinhas que rondam sua mente. Isso provavelmente acontece porque, em nossas vidas extremamente conectadas, o chuveiro é um dos poucos lugares em que estamos (pelo menos enquanto a tecnologia ainda não permite) sem acesso à internet, completamente sozinhas.

Segundo o teórico da mídia Douglas Rushkoff, as redes sociais e essa “hiperconexão” fazem com que os indivíduos sintam que existem pessoas diferentes dentro de si – e isso dá uma certa agonia, né?

O site norte-americano The Conversation defende ainda a tese de que as pessoas só passam tanto tempo conectados – seja pelas redes sociais ou pelo próprio celular – para parecerem “ocupadas” ou “importantes” diante de outras pessoas. “Isso provavelmente explicaria o porquê de várias pessoas falarem tão alto ao celular em espaços públicos”, especula o artigo.

Hoje em dia, existe até mesmo um “aparelho” chamado No Phone – desenvolvido para ajudar os viciados a desapegar do smartphone e vendido na internet por 10 dólares. A proposta da bugiganga é ter o mesmo tamanho, peso e formato de um smartphone – mas não conseguir te conectar a ninguém (fora você mesmo). Mas, vamos combinar: você não precisa dele para isso, né?

3. Ler mais

giphy-93

(Reprodução/Giphy)

Pode ser por meio de um clube de leitura, como o Leia Mulheres, presente em vários estados do Brasil. Pode ser enquanto assiste a booktubers, cujas indicações e resenhas podem indicar um caminho para as suas próprias leituras. Ou ainda usando aquela assinatura de livros – como o Tag ou o Expresso Letrinhas -, que te envia livros periodicamente.

Não importa como: tente ler mais em 2017! A ciência já comprovou que isso só vai te fazer bem. O que você está esperando? 

4. Escrever todo dia

giphy-89

(Reprodução/Giphy)

Depois de dirigir um filme que a crítica recebeu muito mal, a artista norte-americana Julia Cameron ficou arrasada – e resolveu lidar com isso de uma forma inovadora: ela começou a registrar, todo dia de manhã, seus sentimentos por escrito. Às cerca de três páginas que passou a escrever todo santo dia, ela deu o nome de “Morning Pages”.

O método se tornou extremamente popular nos Estados Unidos e ajudou várias pessoas a mudarem suas vidas. A criadora do ~ritual~ ressalta a importância de as páginas serem escritas à mão, pois isso garante uma conexão maior com os nossos pensamentos.

A ideia é escrever tudo o que vier à mente de manhãzinha (mesmo que o que vier seja algo como “caraca, eu estou exausta e queria dormir”), livremente. Não se deve mostrar as páginas a ninguém – nem mesmo a você mesma, depois de terminar. O intuito é fazer com que você comece seus dias com a mente mais leve, como se você deixasse, diariamente, um pedacinho dos seus problemas ali naquelas folhas.

5. Tomar 8 copos de água por dia

Não é tão difícil assim adotar este hábito – e, para te convencer, aqui vai um vídeo bonitinho (e cheio de argumentos):

Não é segredo para ninguém que o seu corpo precisa do líquido para manter todas as funções vitais funcionando bem. Tornar este um hábito diário pode ser um pouquinho complicado, mas não desanime: o segredo de toda e qualquer rotina é simplesmente começá-la. Vá aos poucos e dedique-se a algo que vai mudar seu corpo para melhor!


Fonte/Reprodução: mdemulher.abril.com.br