A Prefeitura de Eunápolis, por meio da secretaria de Saúde, desenvolve estratégia nas escolas para promoção de saúde e prevenção de hanseníase e verminoses em crianças e adolescentes de 5 a 14 anos. Os alunos, inicialmente, são avaliados responsáveis, em suas casas, em busca de sinais ou sintomas das doenças.Os agentes comunitários de saúde e equipes do Programa Saúde estão percorrendo as escolas com foco em alunos na faixa etária de cinco a 14 anos. Além da hanseníase, os agentes de saúde vão investigar também casos de verminose, podendo aplicar o vermífugo, Albendazol, mediante autorização dos responsáveis.

PREVENÇÃO DE HANSENÍASE

Somente em caso de manchas ou sintomas da doença a criança ou adolescente será avaliado pela equipe da Saúde da Família e encaminhado para o SAE/CAT, para a confirmação ou não do diagnóstico e posterior tratamento.

Dois estabelecimentos já foram visitados pelas equipes do programa: a Escola Municipal Maria das Mercês, no Bairro Itapuan, e a Isabel Araújo, na Urbis III, como informaram as técnicas do programa, Katiane Laurentino e Gheisa Rosa. Durante este mês de maio, mais duas escolas serão contempladas: a Brandão Vilela, no Bairro Santa Lúcia, e a José Victor Figueiredo, no Minas Gerais.

ESTRATÉGIA

Até o mês de agosto novas escolas serão visitadas. “A estratégia é para detectar e iniciar o tratamento da doença precocemente”, ressalta a enfermeira Gheisa Rosa, responsável pelo programa de Saúde na Escola, da Superintendência da Atenção Básica. A campanha acontece desde 2013.

De acordo com a enfermeira Katiane Laurentino, do programa de combate à Hanseníase, “a Prefeitura esperar aumentar o diagnóstico precoce e identificar regiões onde essas doenças ainda persistem. Os casos suspeitos serão encaminhados à rede básica de saúde para confirmação e início imediato do tratamento”.

EVITAR TRANSMISSÃO

A campanha distribui fichas de autoimagem para que as escolas participem da ação. Nessas fichas há o desenho do corpo humano, de frente e de costas, onde os responsáveis vão marcar onde as crianças ou adolescentes possuem qualquer tipo de manchas na pele, para serem avaliadas pelas equipes de atenção básica.

Diante de um diagnóstico positivo de hanseníase o paciente receberá atendimento e medicação, evitando a transmissão da doença. “A hanseníase tem cura e a transmissão é interrompida já no início do tratamento”, explica a superintendente da Atenção Básica, Liziane Bonfim.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 


Por Ascom/Saúde